Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gene de traça

Livros e etc.

INOMINÁVEL #8

por anacb, em 02.06.17

 

Acabou de sair a INOMINÁVEL n.º 8, e traz uma mão cheia de novidades. Já foram espreitar?

 

Inominável n.º 8

 

INOMINÁVEL # 7

por anacb, em 07.04.17

 

 Já está online a Revista INOMINÁVEL n.º 7, dedicada ao mês de Abril. Sempre com novidades.

 

Inominável #7

 

 

 

Queres ser INOMINÁVEL?

por anacb, em 09.03.17

 

Anúncio INOMINÁVEL com caixa.jpg

 

 

INOMINÁVEL n.º 6

por anacb, em 03.02.17

 

Hoje vou falar-vos da INOMINÁVEL.

 

Que é uma revista (não confundir com o outro senhor…). Onde eu colaboro na rubrica de Viagens e na revisão dos textos. É uma revista apenas lançada online, e cujos artigos vão depois sendo publicados no blogue que tem o mesmo nome: revistainominavel.blogs.sapo.pt. É uma revista feita maioritariamente por bloggers, editada pela Maria Alfacinha (autora do blogue O Meu Alpendre), que a co-idealizou com a Magda Pais (dos blogues StoneArt Portugal e Stoneart Books).

 

Inominável #6

 

Acabou de sair o número 6 da revista, cujo tema de inspiração é o Carnaval (mas onde na verdade do Carnaval propriamente dito se fala muito pouco). Um número que, na minha opinião, está muito bom. Mas é claro que eu sou suspeita, e por isso não há como irem verificar se tenho ou não razão.

 

Para vos abrir o apetite, aqui está um resumo do que podem ler nesta edição:

 

- As propostas de entretenimento do André (do blogue Palavras ao Vento), na AGENDA CULTURAL

 

- Um percurso circense por vários videojogos conduzido pelo Rei Bacalhau (do blogue O Bom, o Mau e o Feio), na coluna 2D3D

 

- No ANEXO, a Márcia (do blogue Planeta Márcia) conta-nos como é que escolhe “o livro que se segue”

 

- E ‘BORA LÁ FAZER umas coisas giras, seguindo as instruções da Ana Delfino

 

- A poesia e prosa da COLUNISTA ACIDENTAL deste número, Alice Duarte, que tem trabalhos seus publicados em várias colectâneas, além de um livro de poesia

  

- No CORREIO (pouco) SENTIMENTAL, a endiabrada dupla MJ (E agora? Sei lá!) + Maria das Palavras (do blogue com o mesmo nome) continua a inventar as situações mais mirabolantes que é possível imaginar

 

- O segundo episódio da história que a Carina (do blogue Contador d’Estórias) está a escrever para a rubrica CRIADORES DE IMPOSSÍVEIS

 

- A Dona Pavlova (do blogue que tem o seu nome) dá as receitas daquelas gulodices sempre presentes em qualquer festa popular portuguesa, na coluna ESTAR NO PONTO

 

- A importância da velocidade de obturação e o melhor formato no qual guardar fotos, na rubrica FOTOGRAFIA: A LUZ E O OLHAR, escrita pelo Gil (http://www.gilcardoso.net/)

 

- A Alexandra conta-nos HISTÓRIAS DE ARTE sobre Miguel Ângelo

 

- Em MUSICALIZANDO temos Luísa Sobral, trazida pela mão da Marta (do blogue Marta - o meu canto)

 

- O Alexandre (do blogue Jogo do Sério) fala-nos NA DESPORTIVA sobre as razões para vermos o Super Bowl (que é já no próximo domingo)

 

- N’O ESPAÇO AZUL ENTRE AS NUVENS, mais um belíssimo texto do Jonathan

 

- José da Xã (do blogue Lados AB) fala das comédias da sua infância, em PLAY IT, SAM!

 

- POR TERRAS DO REI ARTUR, a Inês (do blogue Alquimia do Momento) leva-nos até Cardiff e Exeter

 

- Para a rubrica VIAGENS, o Carnaval inspirou-me a mostrar alguns lugares cheios de cor que há pelo mundo (e podem ir buscar outras inspirações a Viajar. Porque sim.)

 

Curiosos? Então vão lá ler a INOMINÁVEL. Basta clicarem na foto da capa.

 

 

 

INOMINÁVEL #4

por anacb, em 06.06.16

 

O Verão já aí está - porque a INOMINÁVEL n.º 4 acabou de ser lançada. Vá, ide ver, que tem novidades.

 

Inominavel #4.JPG

 

INOMINÁVEL #3

por anacb, em 04.04.16

A Primavera este ano parece que tarda em chegar. Mas a INOMINÁVEL não. Acabou de ser publicada a revista n.º 3, que é precisamente dedicada… à Primavera.

(até a outra – sim, aquela que está a fazer-se cara – vai querer espreitá-la…)

 

capa inominavel#3.png

 

INOMINÁVEL #2

por anacb, em 02.02.16

Aqui está ela, a INOMINÁVEL N.º 2. E Fevereiro é o mês de...

capa #2.png

 

INOMINÁVEL #1

por anacb, em 01.12.15

Fresquinha, fresquinha, acabadinha de sair. Luminosa e muito recheada, como se quer nesta quadra.

 

O Natal não seria o mesmo sem a nossa INOMINÁVEL N.º 1.

 

capa #1.png

 (link aqui)

INOMINÁVEL

por anacb, em 01.10.15

 

inominável | adj. 2 g.
A que não se pode atribuir nome ou designação
(in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013)

 

Está finalmente revelado o segredo mais bem guardado dos últimos tempos: nasceu a INOMINÁVEL.

 

E o que é a INOMINÁVEL? – perguntam vocês.
Pois é uma revista digital. – respondo eu.
E qual é a novidade? Revistas digitais há muitas… – dizem vocês.
Pois há – respondo eu – mas esta é diferente. Esta é toda pensada e executada por bloggers, um grupo de gente que se “conheceu” na blogosfera e que decidiu unir-se e fazer uma revista fresca, saudável e despretensiosa, divertida e ao mesmo tempo atenta ao que a rodeia, que distrai mas ao mesmo tempo chama a nossa atenção para o mundo lá fora. Uma revista de gente para gente.


Vá, não percam mais tempo a ler-me e vão lá espreitá-la. O link está no blog Revista Inominável. E sigam também a página no Facebook, para não perderem pitada das novidades.

 

INOMINÁVEL 0 Capa.jpg

 

(E já agora, espreitem os blogs dos outros Inomináveis:

 

Maria Alfacinha - O meu alpendre

Magda Pais - Stoneartportugal

Cláudia Oliveira - A Mulher que Ama Livros

Vanessa - Nuages Dans Mon Cafe

A miúda - A Miuda

Dona Pavlova - Dona Pavlova

Rita Fonseca - Rita

Maria Sebastião - Escrita ao Luar

Maria das Palavras - Maria das Palavras 

MJ - E Agora Sei Lá

Neurotika Webb - A Galinha da Vizinha

Rei Bacalhau - O Bom, o Mau e o Feio

Paulo Freixinho - Palavras Cruzadas

José da Xã - Lados AB

 

Melhor ficha técnica não pode haver…)

 

Uma ESTANTE em formato de revista

por anacb, em 21.07.14

 

Comprei há dias o n.º 2 da ESTANTE. Para quem ainda não conhece, a ESTANTE é uma revista publicada e lançada recentemente pela FNAC que, como não podia deixar de ser, fala de livros e do universo que os rodeia. Num panorama tão pobre em revistas deste género (falo de quantidade, não de qualidade), um novo projecto editorial deste tipo é sempre de saudar.

 

O primeiro número saiu em Abril e foi distribuído gratuitamente. Este segundo número (é uma revista trimestral) é vendido ao preço quase simbólico de 1,5 €, sendo que para quem tem cartão FNAC este valor é acumulado na totalidade no cartão. Nada mau como estratégia de marketing… Além disso, a revista está também online em www.revistaestante.fnac.pt.

 

É uma revista que cheira a livros: impressa em papel creme, pesado e sem brilho (reciclado, provavelmente), com um formato bastante portátil, ligeiramente mais pequeno do que o A4, e com 64 páginas, das quais apenas meia dúzia é publicidade. Tem uma tiragem de 20.000 exemplares, por isso mesmo que sejam todos vendidos parece-me difícil que este projecto dê lucro – o que abona ainda mais a favor desta iniciativa.

 

O editorial deste número 2 é assinado por Rui Zink que defende, entre outras coisas, que “ler torna o mundo melhor” – e se não houvesse outras razões, só por isto para mim já teria valido a pena comprar a revista. É ele também o protagonista da página “Alter Ego”, onde coloca perguntas e dá as respostas, sempre naquele tom irónico que já se tornou a sua imagem de marca. Gosto do Rui Zink. Tem uma forma de falar e escrever que é ao mesmo tempo incisiva e descontraída, altamente crítica e bem-humorada. Uma boa escolha, a lembrar-me de que tenho de ler mais coisas dele.

 

A revista está dividida em três grandes blocos: vírgula, parênteses e reticências. O primeiro bloco é assim uma espécie de jornal do mundo livreiro, onde se fala de lançamentos, efemérides e acontecimentos. Nos parênteses há artigos e entrevistas de fôlego, e as reticências englobam apontamentos vários e mais ou menos extensos sobre vários tipos de livros, livrarias, editores, escritores e tendências.

 

Do que é que mais gostei? Em primeiro lugar, do tema de capa, a literatura de viagens, porque às vezes, e muitas vezes, “a melhor ou a única maneira de viajar é mesmo com um livro”. Apaixonada por viagens como sou, este artigo tinha mesmo de me agradar. O texto está dividido pelos cinco continentes, à mistura com uma história breve sobre este tipo de literatura, e são evocados autores e livros de referência escritos sobre cada uma destas regiões do planeta, alguns já bem meus conhecidos, outros nem tanto assim. De onde resultaram mais uns quantos títulos acrescentados à minha longa lista de livros a ler (e também a oferecer) num futuro próximo.

 

Outro artigo que li com particular prazer tem como tema a literatura policial, mais propriamente a “comparação” entre os livros policiais nórdicos e os clássicos. Obviamente, é uma comparação entre estilos e características, sem qualquer intenção de classificar uns como melhores ou piores do que os outros, mas chamou-me a atenção para um aspecto do qual eu ainda não tinha tomado realmente consciência: enquanto que a trama de um policial clássico gira habitualmente à volta do crime e de quem o poderá ter cometido, nos livros policiais nórdicos as questões e motivações sociais e psicológicas (e às vezes até económicas) são um pano de fundo tão importante como o crime em si, e às vezes mais ainda.

 

Depois há ainda duas páginas com um roteiro de 10 livrarias (algumas já famosas, outras nem por isso) emblemáticas e únicas no seu género em todo o mundo, onde como é óbvio não podia faltar a “nossa” Lello, um outro artigo sobre banda desenhada onde se fala de Batman e outros super-heróis com problemas existenciais, e uma página – a última antes da capa – dedicada a artigos de papelaria, que o meu lado-traça ficou imediatamente cheio de vontade de comprar.

 

A impressão com que fico é que na ESTANTE tentam conjugar o melhor de dois mundos: temas variados e de fácil leitura para a maioria do público, e uma evidente preocupação com a qualidade do conteúdo (a par com a divulgação daquilo que a própria FNAC vende, como não podia deixar de ser). Uma tentativa de nivelar por cima sem cair no excesso de “intelectualidade”. Neste segundo número o objectivo parece-me ter sido conseguido, nos próximos logo veremos. Se continuarem assim, ganharam uma leitora.