Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gene de traça

Livros e etc.

INOMINÁVEL n.º 6

por anacb, em 03.02.17

 

Hoje vou falar-vos da INOMINÁVEL.

 

Que é uma revista (não confundir com o outro senhor…). Onde eu colaboro na rubrica de Viagens e na revisão dos textos. É uma revista apenas lançada online, e cujos artigos vão depois sendo publicados no blogue que tem o mesmo nome: revistainominavel.blogs.sapo.pt. É uma revista feita maioritariamente por bloggers, editada pela Maria Alfacinha (autora do blogue O Meu Alpendre), que a co-idealizou com a Magda Pais (dos blogues StoneArt Portugal e Stoneart Books).

 

Inominável #6

 

Acabou de sair o número 6 da revista, cujo tema de inspiração é o Carnaval (mas onde na verdade do Carnaval propriamente dito se fala muito pouco). Um número que, na minha opinião, está muito bom. Mas é claro que eu sou suspeita, e por isso não há como irem verificar se tenho ou não razão.

 

Para vos abrir o apetite, aqui está um resumo do que podem ler nesta edição:

 

- As propostas de entretenimento do André (do blogue Palavras ao Vento), na AGENDA CULTURAL

 

- Um percurso circense por vários videojogos conduzido pelo Rei Bacalhau (do blogue O Bom, o Mau e o Feio), na coluna 2D3D

 

- No ANEXO, a Márcia (do blogue Planeta Márcia) conta-nos como é que escolhe “o livro que se segue”

 

- E ‘BORA LÁ FAZER umas coisas giras, seguindo as instruções da Ana Delfino

 

- A poesia e prosa da COLUNISTA ACIDENTAL deste número, Alice Duarte, que tem trabalhos seus publicados em várias colectâneas, além de um livro de poesia

  

- No CORREIO (pouco) SENTIMENTAL, a endiabrada dupla MJ (E agora? Sei lá!) + Maria das Palavras (do blogue com o mesmo nome) continua a inventar as situações mais mirabolantes que é possível imaginar

 

- O segundo episódio da história que a Carina (do blogue Contador d’Estórias) está a escrever para a rubrica CRIADORES DE IMPOSSÍVEIS

 

- A Dona Pavlova (do blogue que tem o seu nome) dá as receitas daquelas gulodices sempre presentes em qualquer festa popular portuguesa, na coluna ESTAR NO PONTO

 

- A importância da velocidade de obturação e o melhor formato no qual guardar fotos, na rubrica FOTOGRAFIA: A LUZ E O OLHAR, escrita pelo Gil (http://www.gilcardoso.net/)

 

- A Alexandra conta-nos HISTÓRIAS DE ARTE sobre Miguel Ângelo

 

- Em MUSICALIZANDO temos Luísa Sobral, trazida pela mão da Marta (do blogue Marta - o meu canto)

 

- O Alexandre (do blogue Jogo do Sério) fala-nos NA DESPORTIVA sobre as razões para vermos o Super Bowl (que é já no próximo domingo)

 

- N’O ESPAÇO AZUL ENTRE AS NUVENS, mais um belíssimo texto do Jonathan

 

- José da Xã (do blogue Lados AB) fala das comédias da sua infância, em PLAY IT, SAM!

 

- POR TERRAS DO REI ARTUR, a Inês (do blogue Alquimia do Momento) leva-nos até Cardiff e Exeter

 

- Para a rubrica VIAGENS, o Carnaval inspirou-me a mostrar alguns lugares cheios de cor que há pelo mundo (e podem ir buscar outras inspirações a Viajar. Porque sim.)

 

Curiosos? Então vão lá ler a INOMINÁVEL. Basta clicarem na foto da capa.

 

 

 

O Sapo, o Natal, os livros, os destaques e os bloggers

por anacb, em 24.12.16

 

O Sapo gosta de livros e do Natal. O Sapo Blogs gosta de posts sobre livros e sobre o Natal e sobre livros no Natal. Eu gosto de livros. Do Natal também, mas só daquele bom, o genuíno, aquele em que pensamos nos outros mais com o coração do que com a carteira, em que oferecemos “aquela” prenda para “aquela” pessoa, escolhida ou feita com cuidado, embrulhada com imaginação; aquele em que cozinhamos com carinho e pomos a mesa com satisfação porque sabemos que vamos estar junto dos que amamos (pelo menos de alguns, quando não é possível estar com todos os que nos estão no coração); aquele em que fazemos alguma coisa mais por alguém, mesmo que isso seja apenas uma infinitésima parte daquilo que o mundo precisa. Gosto de dar: prendas, abraços, sorrisos, uma palavra amável, o que me vier à cabeça. E embora goste mais de dar, também gosto de receber, claro. Sou uma sortuda, recebo sempre muita coisa (e livros!), mas sobretudo recebo carinho, de muitas formas, de muitas pessoas. Do Sapo blogs também, que gosta de livros e gosta que se ofereçam livros e gostou do meu post sobre livros para os amigos e voltou a destacá-lo hoje, véspera de Natal, e em grande. De toda a comunidade de bloggers do Sapo, que é generosa e tira um bocadinho do seu tempo para partilhar com todos nós o seu Natal, as suas opiniões, os seus gostos, as suas peripécias, bocadinhos da vida de cada um, que troca prendas e conselhos e desejos de Boas Festas. Gosto de estar aqui.

 

A todos os que por aqui andam e aos que trabalham para que nós possamos andar por aqui, desejo que tenham um Natal muito, muito feliz.

 

Destaque SAPO Boas Festas.jpg

 

Sete coisas, nove perguntas e uma auto-entrevista

por anacb, em 24.03.15

 

Não sei se já perceberam que eu não sou muito dada a esta coisa dos desafios. Demoro imenso tempo a responder (normalmente quando já toda a gente esqueceu… mas não é por mal, é mesmo por falta de tempo), não respeito o formato, não nomeio ninguém… enfim, sou uma rebelde. Acho graça quando são os outros a responder, mas quando me toca a mim parece-me sempre que não tenho nada de muito interessante para dizer.

Bom, mas tento responder – ao meu jeito, mas pronto. Desta vez apareceram-me dois ao mesmo tempo (7 coisas, obra da Vertigem, e 9 perguntas da minha homónima Miss Ana). Então decidi fazer o dois-em-um e dar-vos as respostas em forma de auto-entrevista. Só porque sim.

 

Eu – Conta-me lá o que é que te deu para criares um blog, e precisamente no Sapo.

anacb – Um não, três. Sou uma exagerada. A verdade é que comecei há já vários anos com um sobre viagens no Blogspot, o Viajar Porque Sim, que depois decidi migrar aqui para o Sapo – porque é uma comunidade, porque é português, porque tem muitos blogs interessantes. Como mais tarde senti vontade de escrever outras coisas, criei o A Vida e Outros Acasos, e depois este, o Gene de Traça, que é mais virado para os livros e as leituras, mas onde também mostro mais quem sou “eu”.

Eu – Então estás convencida de que escreves bem, não é? E que mais achas que fazes bem? E que não fazes bem?

anacb – Convencida, convencida, não tanto assim… Acho que escrevo razoavelmente e de forma perceptível, e tento tratar bem o português (o português pré-acordo ortográfico, entenda-se). Além disso sou boa a organizar viagens, tenho algum jeito para tirar fotos, conduzo em qualquer lado sem me perder e sou excelente para andar a pé – daí o meu primeiro blog ser sobre viajar. Danço bem, e de vez em quando organizo umas festas giras para os meus amigos, que toda a gente adora. E sou boa guardadora de segredos. Por outro lado, tenho grande dificuldade em aceitar de bom grado que me compliquem a vida, não gosto de engolir sapos (sem ofensa aqui para a nossa casa-mãe) e não consigo aturar gente mesquinha. Não tenho paciência para filas de trânsito, fico insuportável. Sou medíocre no que toca a bricolage. E não sei mentir. Nem consigo disfarçar a minha contrariedade quando ouço mentiras.

Eu – Achas que a tua escrita evoluiu desde que começaste a blogar?

anacb – Sinceramente, não me parece que tenha evoluído muito, pelo menos quanto à forma. No estilo talvez tenha havido alguma mudança, ou melhor, uma diversificação. Quando comecei estava mais espartilhada; agora, talvez por força de ter mais do que um blog e de cada um ter uma temática diferente, creio que consigo ir variando um pouco de registo, ser (talvez…) menos monótona.

Eu – Tinhas algumas expectativas quando criaste cada um dos teus blogs? E estão a ser concretizadas?

anacb – Não, realmente não tinha. E continuo sem ter, por isso não estou a fazer basicamente nada nesse sentido. Apenas gosto de escrever e de partilhar ideias e experiências. A única área onde poderei eventualmente um dia levar isto mais a sério será o blog de viagens, e a isso não será alheio o facto de ser o meu blog mais visitado.

Eu – Mudando de assunto: quais são as sete coisas que tens mais hábito de dizer?

anacb – Já vou./ Qual é a parte de xxxx que não percebeste?/ A sério???/ Estou morta!/ Conta-me tudo e não me escondas nada./ Whatever…/ Deita cá para fora.

Eu – E o que é que mais te encanta?

anacb – O mar e todos os locais com água, de uma maneira geral. A arte em todas as suas formas. Ver animais em liberdade. Viajar. Crianças. Pessoas apaixonadas. Sorrisos abertos.

Eu – O que ou quem é que amas?

anacb – O meu filho. Pessoas. Livros. Sol e calor. A minha família. Os meus amigos. O meu homem especial.

Eu – E diz-me: achas mesmo que é possível fazer amizades aqui na blogosfera?

anacb – Claro, como em qualquer lugar! Há por aí gente muito simpática, em particular aqui na comunidade do Sapo. E há muita empatia, comunicação e colaboração. Formam-se grupos e até blogs colectivos bem interessantes e bem-sucedidos, como é o caso do Aprender Uma Coisa Nova Por Dia, onde eu não faço parte do núcleo duro mas participo de vez em quando, e que é um blog diferente, constituído por um excelente grupo de bloggers.

Eu – Notas diferenças entre os blogs antigos e os mais recentes?

anacb – Não tenho uma percepção muito apurada em relação a este assunto, principalmente porque também sou bastante recente neste mundo. Parece-me que a maioria dos blogs que têm aparecido ultimamente são mais pessoais, quase que uma espécie de diário, falam de coisas do dia-a-dia, de pessoas normais, desabafos, preocupações, com alguma crítica social à mistura. Os blogs mais antigos serão talvez menos informais, têm um carácter mais “jornalístico”. Mas é claro que também não conheço os blogs todos…

Eu – Fala-me de coisas de que não gostes.

anacb – Mentiras, como já disse antes. Confusão. Barulhos agressivos ou muito agudos. Vento. Falta de sentido de humor.

Eu – O que é que desejas para o futuro, especialmente no que diz respeito aos teus blogs? O que é não quererias morrer sem teres feito?

anacb – Viajar. Viajar. Viajar. Viajar. Viajar. Viajar… Já disse viajar? Fotografar os sítios onde for, escrever sobre essas viagens, levar aos outros um bocadinho da beleza do mundo e aguçar-lhes o apetite para saírem do lugar. Fazer algum voluntariado, em viagem ou não. Contribuir para alegrar a vida de alguém, seja de que maneira for, seja de quem for, amigo ou desconhecido. Quanto aos meus blogs, não tenho ambições especiais, mas sinceramente gostava de ter mais tempo para lhes dedicar – sobretudo, como já disse, ao de viagens, que gostaria realmente de desenvolver e levar para um patamar diferente. Um dia será o dia.